Domingo, 13 de Junho de 2021 13:49
28 99945 7577
Dólar comercial R$ 5,12 1.12%
Euro R$ 6,2 +0.6%
Peso Argentino R$ 0,05 +1.08%
Bitcoin R$ 200.583,9 -0.47%
Bovespa 129.441,03 pontos -0.49%
Brasil Brasil

ES inaugura primeira unidade prisional exclusiva para população LGBTI+

Com capacidade para 296 presos, a penitenciária de segurança média funciona no complexo de Viana.

27/05/2021 12h25
Por: Cidade na Rede Fonte: G1-ES
Complexo Penitenciário de Viana — Foto: Reprodução/TV Gazeta
Complexo Penitenciário de Viana — Foto: Reprodução/TV Gazeta

O Espírito Santo inaugurou, na manhã desta quarta-feira (26), a primeira unidade prisional exclusiva e de referência à população LGBTI+. A Penitenciária de Segurança Média 2 (PSME2) funciona no complexo de Viana, na Grande Vitória.

Com capacidade para 296 custodiados, a penitenciária já abriga 175 pessoas autodeclaradas parte deste grupo.

A medida segue uma resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que prevê a abertura de alas adequadas a esta comunidade.

Sejus inaugurou primeira unidade prisional exclusiva e de referência à população LGBTI+ do ES — Foto: Divulgação/Sejus

Sejus inaugurou primeira unidade prisional exclusiva e de referência à população LGBTI+ do ES — Foto: Divulgação/Sejus

Antes, a unidade prisional tinha apenas uma ala específica para esse público, mantendo grande parte dos custodiados do sexo masculino. Para se tornar unidade referência para pessoas autodeclaradas parte da população LGBTI+, a unidade passou por adaptações.

 

Os presos do gênero masculino que estavam detidos no local foram remanejados para outras unidades prisionais de regime fechado.

As presas autodeclaradas como lésbicas permanecem em unidades femininas do estado.

 

Atendimento à população LGBTI+

 

A Secretaria de Estado da Justiça (Sejus) também instituiu parâmetros e procedimentos para nas unidades prisionais.

Dentre as instruções, o documento estabelece diretrizes quanto ao direito de serem tratadas pelo nome social; utilização de vestuário e corte de cabelo em acordo com a identidade de gênero e a capacitação de servidores em políticas públicas LGBTI+, no combate à LGBTfobia.

A portaria também cita o direito ao acesso ao tratamento hormonal e o acompanhamento de saúde específico, mediante prescrição médica, por meio da rede de atenção básica do Sistema Único de Saúde (SUS) ou particular.

Dia do Orgulho LGBT: cores pelo Brasil lembram que diversidade é direito
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
--:--/--:--

 

 
 
 
 
 
 
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.